sexta-feira, 11 de junho de 2010

Paulo Waldemar Ribeiro Falcão nº 2

(do livro "O Cristalino Espírito da Vida")

Meu neto Gabriel

O riso do meu neto é indescritível
É misto de amor com luz e mel
Deixar de admirá-lo é impossível
O nome do meu neto é Gabriel

Bochecha do meu neto é coisa incrível
Macia e fofa como um bom pastel
Deixar de dar-lhe um beijo é impossível
O nome do meu neto é Gabriel

Os olhos do meu neto são incríveis
Azuis e transparentes como o céu
Deixar de amar seus olhos, impossível
O nome do meu neto é Gabriel

A simpatia dele é irresistível
Derruba até um muro de quartel...
Se alguém acha que isto é inadmissível
Eu escrevo e certifico num papel

Quanto mais velho, mais gostoso o vinho
Por isso a gente guarda num tonel
Hei de guarda o amor do meu netinho
Por toda a eternidade do meu céu...

PS meu (GF): Meus olhos depois viraram verdes, mas... e daí?

Um comentário:

Crica Rodrigues disse...

Lindo...