quarta-feira, 15 de junho de 2011

Olhos e brilhos

sob encomenda

Sorrisos entrecortados por silêncios, tão preenchidos que se fazem valer por muitos palavreados estúpidos, que certamente têm seu lugar no balanço a que nos aferroamos numa calçada qualquer de Ipanema, enquanto pensamos em compartilhar o belo. Par de ímãs, a proximidade potencializa a tensão e densifica o espaço vazio existente entre um e outro, fazendo de pequenos centímetros grandes saltos e de qualquer queda de folha motivo para se desviar o olhar, no medo de ser apreendido a fitar seus contrapontos luminosos. Fios de cabelo insistentemente buscam cobrir os olhos e os brilhos e, com não menos insistência, os devolvo a seu lugar de origem, e o toque faz de dois, um. Durante tempo indizível, num sobe-e-desce digno de montanha russa americana, permitem perder-se na gravidade do outro, sugados no contínuo espaço-tempo para uma outra dimensão na qual cabem amores, anjos da guarda, famílias, bagunças e arrumações, psicologia e filosofia, sabedorias helênicas, conspirações universais, e tantos outros que, passadas as duas horas, é de surpreender que o piso seja ainda o mesmo, quando seus dois habitantes se transformaram tanto. A calçada, então, vem nos segredar que, embora não seja outra, tampouco é a mesma. Assim, faz-nos perceber que exatamente o mesmo pode ser dito de nós. Com a consciência da eterna alteração do inalterável, partem em sentidos diametral e extrínsecamente opostos, porém internamente iguais. Ele, caminhando, pensa nela — se está ou não pensando nele. Ela, caminhando, pensa nele — se está ou não pensando nela. E embora não sejam hollywoodianos a ponto de virarem os rostos e encontrarem os olhares com um sorriso fingidamente surpreso, por dentro não deixam de se olhar por um segundo sequer, até chegar o sono e se encontrarem novamente, os olhos e os brilhos.

Rio, 15 de junho de 2011

Um comentário:

Rayssa Ribeiro disse...

De vez em quando estou por aqui perdida no blog lendo as coisas que você escreve. Gosto muito, principalmente desses mais românticos, (rsrs...) faz a pessoa acreditar num amor verdadeiro.

Parabéns!

Rayssa Ribeiro