sábado, 25 de agosto de 2012

O meu peito tem poetas

O meu peito tem poetas
profetas
amantes,
com poesias de amores
de côres
e setas,
que escrevem por sussurros
com urros
e letras,
cujos sonhos diamantes
gigantes
se fazem,
tintas soltas pelas ruas
das tuas
carícias,
riscos que não cantam mágoas
mas águas
na vida,
que se inspiram com insetos
e certos
te beijam,
são presença não-imposta
que gosta
da tua,
têm os olhos sempre atentos
sedentos
profundos,
vivem tempos que se pedem
se perdem
no gêlo,
mas sorriem com migalhas
qu'espalhas
no canto,
e derramam o reverso
do pranto
por ti.

Rio, 25 de agosto de 2012

Um comentário:

Heloyse Thainara Gregorio disse...

Muito lindom e incrivél.

É tão bom e maravilhoso ver alguém que escreve como você e pensa como você. Também tenho um blog onde coloco tudo que sinto e penso sobre tudo. Continue assim, parabéns.